Sorry, you need to enable JavaScript to visit this website.

Vamos falar sobre como conversar sobre câncer com a família e os amigos

Autor: Luciana Holtz

Contar sobre o diagnóstico da doença é uma decisão pessoal, lembrando sempre que o apoio de pessoas queridas pode contribuir com o tratamento. O apoio que as pessoas próximas podem te oferecer, vai te ajudar a superar essa fase.

 

Compartilhar com os amigos ou familiares o diagnóstico de câncer não é uma resolução fácil para a maioria das pessoas. Essa é uma decisão muito pessoal, mas existem alguns pontos que podem ajudar você a refletir sobre qual é o melhor momento de fazer isso. Antes de qualquer coisa, é preciso estar preparada e lembrar que não é necessário contar para todas as pessoas, mas a decisão sobre para quem e quando contar, é somente sua.

Existem pacientes que preferem falar sobre o diagnóstico apenas para o núcleo mais próximo, como cônjuge e filhos, e outras que abrem sua história nas redes sociais. A escolha depende do momento que a paciente está vivendo e do quanto ela se sente pronta para tratar do assunto. Ao falar sobre o diagnóstico nas redes sociais, por exemplo, é preciso estar preparada para receber as mais diversas manifestações, que podem tanto ser positivas quanto negativas.

A importância do apoio de parceiros, filhos, pais, parentes e amigos

 

Geralmente, o núcleo mais próximo, com quem a paciente convive no dia a dia (cônjuge e filhos), é o primeiro a receber a notícia. É importante compartilhar com eles, pois são as pessoas que fornecerão o apoio necessário e importante no enfrentamento da doença. Não contar não é a melhor opção.

Esse é um momento muito difícil na vida da mulher, na qual ela precisa ter alguém em quem confie e com quem possa desabafar para atravessar esse período. Não compartilhar o diagnóstico com quem convive com você e que, por isso, vai perceber facilmente que algo está acontecendo, pode ser uma decisão perigosa que pode ocasionar mais mal do que bem e se tornar algo difícil de ser administrado.

A reflexão que deve ser feita é sobre o quanto você já assimilou o que está acontecendo e de que maneira você entende que é importante falar sobre isso com as outras pessoas. Para o(a) parceiro(a), fale abertamente sobre como ele(a) pode ajudar. Lembre-se de que a pessoa também precisa de um tempo para absorver tudo que está acontecendo.

É importante os filhos também saberem sobre o momento que você está passando. Esconder da criança essa situação pode fazer, por exemplo, com que ela crie fantasias e acabe se sentindo culpada ou mesmo responsável pelo que está acontecendo. Há casos em que a criança passa a acreditar que ela é quem está gerando o mal para a mãe. Para tornar o momento menos difícil, busque explicar que a mamãe está doente e que você pode estar mais triste ou cansada em alguns dias.

As palavras escolhidas podem nem sempre ser as mais adequadas, mas nada é mais importante do que falar sobre o que está ocorrendo no momento em que se sentir preparada. Seja direta e procure contar de uma maneira que a criança entenda. Já em relação aos demais familiares, o melhor momento para falar sobre o diagnóstico é quando você já tiver compreendido a situação e o que pode acontecer daí para a frente.

Medos e receios, como o de chorar ou se entristecer ao contar, são normais e esperados. Se quiser chorar, chore, pois assim você dá permissão para que o outro também manifeste suas emoções. Além disso, nessa conversa pode ser positivo estabelecer alguns limites, dizendo claramente como deseja ser tratada e pedindo ajuda quando necessário. Explique que, em alguns dias provavelmente você se sentirá mais indisposta e que preferirá descansar, então, peça para as pessoas, por exemplo, telefonarem antes de fazer uma visita.

Como contar sobre o câncer no trabalho

 

Há ainda os colegas de trabalho. Muitas mulheres ficam inseguras em contar para o chefe ou para os colegas. Antes de falar com eles é importante que você converse com o seu oncologista para entender se o tratamento vai permitir que você continue trabalhando e quais as possíveis limitações. Os dois, em conjunto, devem tomar essa decisão. Há empresas que incentivam que a mulher continue trabalhando, mas com uma carga horária menor, e outras que preferem afastar a funcionária.

Decidir compartilhar o diagnóstico do câncer, seja com quem for, exige que a mulher esteja também preparada para algumas situações, como, por exemplo, o afastamento de amigos e parentes. Isso pode ocorrer, e você precisa estar preparada para conseguir lidar melhor com as reações das pessoas. O afastamento dos amigos não é algo incomum. Cabe a você tentar compreender essa escolha da outra pessoa, mesmo que esse contato faça muita falta. Há relações que são resgatadas, outras, não.

Como não se espera que seja fácil contar sobre o diagnóstico, principalmente porque existem muitas dúvidas logo que a doença é descoberta, ter o apoio de um profissional pode ajudar. Psicólogos e mesmo o oncologista podem contribuir nesse momento. Conte com a equipe de saúde. Enfermeiros e psicólogos podem ajudar a esclarecer as principais dúvidas e receios comuns nesse momento, tornando o processo de comunicar sobre a doença um pouco menos difícil. Assim, os sentimentos vão se tornando mais conhecidos e amigáveis. Quando você estiver preparada, tudo ficará mais leve.

Lembre-se que a melhor escolha deve ser a de compartilhar. As pessoas não precisam passar pelo câncer sozinhas e não existe certo ou errado sobre como, para quem e quando contar, mas é o apoio que as pessoas próximas podem oferecer que vai ajudar você a superar essa fase.


Luciana Holtz
Psico-oncologista e presidente do Instituto Oncoguia.